Jairo Marques

Assim como você

 

Filhos do Brasil

Ainda não fui assistir à peça, vi o trailler, as fotos e escutei o buchicho do povo. Pra mim, bastou pra encher o coraçãozinho de emoção e minha alma de vontade... Inocente

 

É com muito orgulho e muita honra que convido ‘ceistudo’ para tomarem um banho de arrepios, de luzes, de vozes, de interpretações com.... “Filhos do Brasil”, o mais novo espetáculo do Cia “Mix Menestréis”.

 

 

 

Para quem não conhece, a companhia é um monte de gente “matrixiana” que se reuniu, sob a batuta do diretor Deto Montenegro, para viver a arte do teatro independentemente de sua condição física ou sensorial. É um sucesso.

 

 “A peça é um  passeio sobre as várias regiões do Brasil, que tem sua parte engraçada, divertida e bonita, mas também não foge à crítica da violência, pobreza e abandono”, me contou a atriz e famosona amiga surpreso Tabata Contri.

 

 

Agora, vem uma ultra, mega, blaster vantagem para os leitores do blog do tio! Aêêêêêêê

 

Quem comparecer à bilheteria do Teatro Dias Gomes (o endereço tá mais pra baixo) e falar:

 

“Oi, sou leitor do blog do tio Jairo... o “Assim como Você”, me dá um desconto pra ver ‘Filhos do Brasil Mix’?” vai pagar.... SÓ VINTÃO (vinte cruzeiro! vulgo R$ 20) Muito triste!!!! É menos da metade do valor normal! Vamaaaaí, meu povo!!!

 

O espetáculo vai rolar de 5 a 13 de fevereiro, sempre aos sábados (21h) e domingos (20h). Tem estacionamento na frente!

 

 

“Me envolvi de cabeça nesse espetáculo. Participei da montagem, dei palpite em tudo e, no final, ganhei de presente uma cena que é a ‘Oração ao Rio’, que tem uma carga emotiva muito grande”, falou a Tabs....

 

Quem não se convenceu ainda a tirar o escorpião do bolso ou mesmo se dar um presente delicioso para alegrar a vida, bate o olho no vídeo.... sente o som, as imagens....

Link direto: http://vimeo.com/18254727

  

Vamos lotar o pico, meu povo... vamos mostrar para o mundo que “malacabados” tem brilho, tem talento, tem paixão na veia!

 

 

Vou estar por lá no findi.... Quem é dos arredores de Sampa, se programe, venha também! Quem é de longe, bora criar meios para fazer o espetáculo viajar!!!

  

O que qui é? Espetáculo Filhos do Brasil

 

Onde que é? Teatro Dias Gomes. Rua Domingos de Moraes, 348, Vila Mariana

 

Com quem é? Direção de Deto Montenegro; Assistentes de Direção Léo Pinheiro (Cia Mulungo) e Rica Santana (Menestréis Cadeirantes); Coreografia: Patrícia Kfouri e Evelyn.Klein; mais um grande elenco!

 

Que mais? (11) 5575-7472 www.oficinadosmestreis.com.br Leitores do blog tem desconto!

 

* Fotos de divulgação

Escrito por Jairo Marques às 15h43

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

E chega de perrengue!

Não tenho a menooor vocação pra santo, beato ou anjinho pelado, mas admito que, se preciso for, passo um sabão nos molengas diante das porretadas do mundo ou incentivo os descrentes a buscarem caminhos possíveis.
 
Lembro perfeitamente do dia que conversei com esse ‘rapaizim’ que dá o sabor do post de hoje, o Adriano Almeida. O ‘malacabado’ se lascava de verde e amarelo nos transportes públicos para conseguir trabalhar, saracotear por ai, tomar uns sucos no final de semana ou mesmo ver os ‘mininos’ tomando sorvete na praça. Bobo 

“Se arriba, homi! Tá na hora de você dar um jeito de ganhar uma rifa de um fusca, ter uma xaranga! Num tem grana? Estude mais pra ganhar mais. Já dizia a minha avó que um homem sem carro é um homem sem (*&$@#$%)”

Ele me ouviu bem atentamente. Sorriu e firmou o pensamento. Há quase um mês, o Adriano, que entrou para Matrix após tomar um balaço perdido num boteco, tá motorizado! Aêêê!!!
 
Até que as cidades brasileiras tenham condições de transporte público digno para todos, vou ser mal visto pelos ambientalistas e bicicletistas. Defendo que as pessoas com deficiência tenham seus possantes para que possam viver com um pouco mais de liberdade e decência.

Se os bumbas e trens já detonam aqueles que podem rebolar, imagine aqueles que ficam com a bumba pregada numa cadeira, aqueles que não veem o apito tocando, aqueles que só param em pé enroscados em ‘pernas’ artificiais?

Um carro transforma a vida de uma pessoa com deficiência. O Adriano que vos digam...

Sorte

A sensação de ter o primeiro carro, a tão sonhada oportunidade de dirigir, para o cadeirante é como se criassemos asas...

Os perrengues que um cadeirante passa para pegar um ônibus são bem parecidos com os dos ‘sereshumanos’ normais, com o agravante de que os adaptados são iguais ao cometa Harley, passam de séculos em séculos... Sem jeito

Mas, enfrentamos viagens ‘inesquecíveis’ por causa da superlotaçao em horários de picos, empurra-empurra, falta de cidadania. Mas o que fazer? Todo mundo tem de voltar pra casa, entao, aperta um pouquinho aí que eu também tenho que chegar!

 

Nestes tais ônibus adaptados já passei várias situações malucas...

- O motorista para o bumba para eu embarcar, abre as portas, e o povo ficar me olhando pensando "Como esse cara vai entrar? ...Não cabe mais ninguem aqui!", e o motorista gritar, "Enquanto o cadeirante não embarcar o ônibus não vai andar!".

- O motorista ver claramente que eu dei sinal, mas ele passa é direto... "Tudo isso porque o ônibus que ele estava era daqueles com elevador" ou seja, daqueles que se leva 10 minutos pra fazer o embarque/desembarque (isso quando o elevador funciona e quando eles sabem mexer no equipamento). Os bumbas com piso baixo, o lance é bem mais rápido.

- No ponto terminal de onibus o motorista perguntar "Você vai no meu carro? e sair resmungando, puta que pariu!" (Esses, graças a Deus, são raridades, e este foi mandado embora em menos de 1 mês (tenho meus contatos Convencido)"

Esses perrengues para um cadeirante são como tapas na cara que a gente leva por querer trabalhar, estudar, passear, enfim, fazer como todo mundo faz. Ir e vir sem prejudicar ou constranger as pessoas que não tem nada a ver com a situação que nos impõem na sociedade.

É claro que dentro dessa labuta de querer ir e vir encontramos pessoas preparadas, outras nem tanto, mas que tem a vontade de aprender a lidar com matrixianos.

- O motorista passar do ponto e dá marcha a ré com o onibus só pra me pegar e dizer "Eu poderia fazer de tudo, mesmo que congestionasse o trânsito, mas você é um passageiro que eu não perderia nunca!". (Detalhe: O ônibus estava na faixa do meio, foi até o farol (Que estava aberto) ligou o pisca alerta e deu marcha a ré para estacionar no ponto de ônibus do corredor para me pegar).

Por oito meses, fiz um curso que precisava todo dia ir de onibus até uma avenida badalada aqui de São Paulo. Sempre pegava os mesmos ônibus. Lembram do tal elevador que falei mais arriba? Então...

Mas saquem que incrível. O motorista era tão gente boa ao ponto de pedir para o cobrador ligar para o meu celular quando eu estava atrasado! E mais, ele me esperava no terminal até eu chegar!

Penso que se eu tivesse que passar por tudo isso de novo, eu passaria, afinal , para que as coisas mudem, é preciso meter a cara na rua, causar no trânsito, que é para todos verem o que precisa ser mudado.

Mas agora... o mundo mudou!

Comprei, finalmente, o meu primeiro carro após anos de perrengues trabalhando, estudando, tentando passear aos finais de semana.

Hoje é minha xaramga que me leva para todos os lugares e não tem sensação melhor para um cadeirante.

A sensaçao de dirigir (Tô voandooo!!!), ir e vir sem depender das pessoas, das atitudes, das condiçoes que o sistema nos impõem é ‘maraviwonderful’. "Quase" me fizeram desistir de tudo e ficar em casa. Ainda bem que nao desisti ;)

Tenho muitos amigos que possuem algum tipo de deficiencia que sempre me diziam: “quando você adquirir o seu carro, você vai ver como as coisas mudam”.

Realmente, ganhei um par de asas e um peso a menos para carregar (Os perrengues!).

*Imagens de arquivo pessoal

 

Escrito por Jairo Marques às 00h03

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

De olho na direção

“Zimininos”, há um tema que enche a cachola das pessoas de dúvida se ‘podchi’ ou se não podchi: afinal de contas, quem tem direito a ter o tal desconto pra comprar uma ximbica veia pra chegar mais rápido ao domínio do mundo?! Tonto

 

Em geral, o desconto pra um malacabado comprar um carro (tem que ser zero km) é de quase 30%. É um dinheiro bão que se economiza, mas parte dele a gente torra mandando fazer as adaptações necessárias. Muito triste.

 

O primeiro passo para saber se o que restou de você vai dar conta de dirigir certinho Convencido é procurar uma clínica especializada e autorizada pelo Detran. Aqui em São Paulo há várias, mas nem todas são realmente preparadas para receber um matrixiano.

 

Dia desses, o tio foi em uma dessas para tirar o laudo que me dará o direito de comprar uma Kombi nova, afinal, ‘ceitudo’ são muito pesados e os amortecedores num ‘guentam’. Fui a uma que, por sinal, é uma leitora aqui do blog! Aêêêêê!!!

 

Fikadica da clínica da Diana Sabbag, totalmente acessível pra quem anda de cavalo de rodas, como eu! O mais legal é que eles podem atender _assim como outras_ pessoas que são encaminhadas de cidades que não possuem local de exame.

 

Muita gente me pergunta isso: “tio, como eu faço se aqui num tem ‘ricurso’?” Vem pra São Paulo, nêgo!! Alegre A Di preparou uma série de dicas sobre tudo que envolvem tirar a CNH especial. Como renovar, como tirar a primeira, quem pode tirar, como tirar, etc. Ficou ‘mara’! Para quem quiser mais infos sobre o pico, o fone e o endereço vão no final do post!

 

Novatos: Para tirar a carteira de motorista, você precisará de:

 

1 Ir até ao médico e pedir  um laudo que indique a sua deficiência motora e o código dela (um tal de CID 10)

 

2 Depois, procurar uma autoescola especializada em atendimento para Matrixianos, pois não são todas que têm esse tipo de atenção.

 

 

3 O próximo passo é ir a clinica credenciada e autorizada pelo DETRAN a fazer atendimento pro povo malacabado, essas clinicas são chamadas de BANCA ESPECIAL. Lá você fará o exame médico e o psicotécnico para depois fazer as aulas na autoescola. A própria autoescola dará continuidade no processo de aquisição da CNH.

 

 

Iniciado: Para fazer os exames de renovação de carteira de motorista:

 

1 Se você já tem a sua carteira de motorista com o código da deficiência é só procurar a clinica credenciada e autorizada a fazer atendimento a matrixianos (nem todas as clinicas credenciadas pelo DETRAN tem autorização de atender a tchurma).

 

2 Sempre procure a clinica autorizada para evitar erros de codificação das letras que indicam o seu tipo de deficiência. Se errar, babau.

 

Para a pessoa que adquiriu  deficiência e entrou na Matrix há pouco tempo, se ela tiver um tipo de comprometimento motor permanente, poderá solicitar a transformação da CNH para especial e para isso, ela precisará:

 

1 Procurar o seu médico para que esse emita um laudo com o código da deficiência (CID 10).

 

 

2 Procurar uma clinica credenciada ao DETRAN e que tenha autorização para atender a tchurma da Matrix. Apresentar o laudo com o CID10 para que o médico avalie e diga se a sua condição o permite ter ou não a carta especial. Só é autorizado àquele que o problema de saúde tenha gerado um problema MOTOR ou mobilidade reduzida. Você pode também procurar uma auto-escola especial (que atenda a Matrix, para que ela te encaminhe a uma clinica especial)

 

3 Depois da avaliação médica, a pessoa fará os exames médicos e psicológicos na própria clinica para que depois ela vá a auto-escola e adquirir a sua carteira especial. Caso você já tenha procurado a auto-escola anteriormente, é só voltar para continuar o processo de transformação da CNH padrão para a especial em que códigos especiais no verso da mesma indicarão qual o tipo de limitação física tem a pessoa.

 

 

PRESTENÇÃO:  Para as pessoas que vão tirar a 1ª CNH ou transformar a carteira padrão em especial, elas farão exame prático de direção em uma junta especial que, em São Paulo, fica no Shopping Aricanduva, o horário é marcado no DETRAN/SP pela própria auto-escola;

 

Para conseguir o Laudo de Isenção de impostos e comprar sua xaramga:

 

1 Ter a sua carteira nacional de habilitação especial (com o código indicado por letras no verso da mesma) e procurar uma clinica especial. Depois que você estiver com o laudo em mãos (que já vem com as oito vias necessárias, afinal, é muuuita burocracia), é só ir a concessionária para comprar o carro, pois a mesma já distribui as cópias aos locais corretos.

 

 2 Se você for do Estado de SP, mas na sua cidade não tiver atendimento especial, é só se dirigir ao CIRETRAN da sua cidade ou da cidade mais próxima e solicitar uma autorização para que você possa fazer o laudo na capital.

 

 

 

3 Se a pessoa não for o condutor e tiver uma pessoa que guie para ela, o Matrixiano e seu condutor, deverão ir ao SUS (Sistema único de saúde) e solicitar um laudo com o CID10 ao médico, dizendo que ela não tem condições de dirigir e precisa de uma pessoa para fazer isso para ela. Depois é só levar o laudo ou a um despachante ou direto a concessionária que, geralmente, já faz esse serviço.

  

Adaptações

 

A adaptação do carro é feita conforme a sua deficiência depois da avaliação médica, pois nem sempre há a necessidade de mexer no veículo. Não ache que por você ser tetrão, ou porque falta algo em você (braço, perna...) não poderá dirigir... Pode e deve correr atrás da sua liberdade!

 

Vá atrás de uma clinica e solicite a avaliação do médico, quem sabe logo, logo, você não esteja passeando de carro por ai?!

 

*Fotos da Medicar serviços médicos e psicotécnicos. Av. Conselheiro Rodrigues Alves, 1014 (entrada acessível na R. Doutor Amâncio de Carvalho539), Vila Mariana, São Paulo. (11) 5575-2149 e (11) 5573-0561.

Escrito por Jairo Marques às 00h10

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Jairo Marques Jairo Marques, 37, jornalista pela UFMS e pós-graduado em jornalismo social pela PUC-SP. Trabalha na Folha desde 1999. É colunista do caderno "Cotidiano".
Twitter Twitter RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.