Jairo Marques

Assim como você

 

Para Tabs, Carol e Rapha

Normalmente, é o autor ou os autores de um livro que fazem uma dedicatória para seu leitor, mas, como esse blog é todo do avesso Tonto, sou eu quem vai dizer umas palavrinhas para os mais novos escritores da praça, minhas amigas Tabata Contri e Carol Ignarra e o meu parceiro pra tudo e pra qualquer coisa (ui) Rapha Bathe.

O trio teve uma ideia genial: escreveu um livro mostrando gente ‘matrixiana’ de todo tipo sejam puxadores de cachorro-guia, cadeirantes, gente pequena, gente torta, gente do bem que tá mostrando ao mercado de trabalho que talento para produzir, seja em qual ramo for, nada tem a ver com capacidade física.

Tabs e Carol, são ‘malacabadas’ e gatas Beijo, Rapha é ‘lambe-lambe’ (fotógrafo Rindo a toa) e inteirinho das pernas, mas um cara ‘absolutamentchi’ engajado no projeto de dominar o mundo! Uhrúúú

Juntos, escreveram “Inclusão –Conceitos, histórias e talentos das pessoas com deficiência” -  que, torço muuuito para que venda mais do que as pamonhas de Piracicaba, que são o puro creme do milho.

 

Pro tio, é uma honra enorme ter ajudado esses três, que estão 24 horas com o estilingue nas mãos para promover um planeta mais acessível e digno para todos, e ser um dos personagens do livro! Aêêêê .... ‘Pricurem’ eu ai na capa!!! O lançamento vai rolar no próximo dia 5 de abril vulgo próxima segunda-feira Convencido. Os detalhes estão mais pra baixo do post.

Agora, como eu sou um ‘minino bão’ e tomo banho quase que diariamente Com vergonha, tenho uma surpresa pros leitores do blog!!!! Uuuuhrúúúú

Duas pessoas, vão ganhar o livro autografado pelos três autores!! Isso mesmo, ganhar de graça, na faixa, na boa, na maciota!!! Para concorrer, mande um email pro “Zairo” (eu, eu, eu!!! jairo.marques@grupofolha.com.br ), com o título: “Ei, você ai, me dá um livro ai!!!”.

As inscrições também podem ser feita por mensagens nos “Facebook”, raio de rede social que continuo a léguas de uma maldito cachorro do Canadá que tem milhares de seguidores.... Muito triste

No corpo da mensagem, não é preciso colocar nada, mas vocês sabem que sou carente e é sempre bom dizer um mimo, né, não? Carente... Qualquer pessoa de qualquer lugar do mundo pode participar e o sorteio será feito durante o encontro do blog, no dia 17! Vou enviar o prêmio pelo correio ao ganhador, caso ele não esteja na balada, né?!

“Zente”, mas bora comprar o livro dos meninos e, quem for de Sampa, vamos lá no lançamento! Deem de presente pros chefes de vocês, pras pessoas que acham que a vida é só um barranco pra ficar encostado, que precisa se motivar para enfrentar o mercado de trabalho. Dê pra você mesmo, dê pros amigos ou mesmo para quem curta uma leitura diferente, inovadora!! Bora “nóis tudo”???

Hum? Lançamento do livro Inclusão –Conceitos, histórias e talentos das pessoas com deficiência

Que dia que é? Dia 5 de abril, segundona próxima!

Onde que é? Na livraria Cultura do shopping Vila Lobos, em São Paulo

Que horas que é? A partir das 19h

Quem que é? Tabata Contri, Carol Ignarra e Rapha Bathe

Quem que editou? Editora Qualitymark http://www.qualitymark.com.br/

Quanto morre? R$ 50 contos, cinqüentão, cinqüenta mangos....

Prontofalei!

* Foto de Lara Miranda

Escrito por Jairo Marques às 00h00

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O meu avatar

O cineasta James Cameron, que criou o mega sucesso Avatar, está saracoteando aqui pelo Brasil, na Amazônia. Já deu bom dia pros índios, já conversou com os brancos, já sobrevoou a floresta de chapéu.

Independentemente de quem gostou ou não gostou do filme do cabra, imagino eu que, sendo ‘malacabado’, um pensamento foi inevitável:  “seria muito bom se eu pudesse ter um avatar”.

Reafirmo o que já deitei palavras algumas vezes aqui: não fico na piração de voltar a andar. Acho boa a minha condição de cadeirante, vivo de forma digna e enfrento com fé esse mundo que ainda mais me aborta do que me acolhe.

Mas seria hipócrita minha dizer que, se houvesse, à altura dos meus dedos, uma carcaça perfeita que me fizesse andar, ‘avuar’ Inocente, eu não a vestiria. Claro que usaria o meu ‘corpinho’ inventado e deixaria essa roupa atual deitadinha numa bolha, igualzinho o que acontece no longa metragem...

Com meu avatar eu correria em disparada. Caramba, parece ser tão ‘maraviwonderfull’ correr, ir rompendo o ar, ir firmando a terra no solado dos pés. E pensar que tem gente tão parado, pensar que tem mãe que vive dizendo “não corre assim, menino!”.

Ah, eu correria um bocado. Correria da chuva, correria para a chuva, correria à noite pra lua, correria de dia para fugir do sol... Abusaria um bocado da energia do meu avatar.

Não precisava ser para sempre. Acho que, talvez, 24 horas podendo andar com perfeição, com independência, me bastariam. Deve ser uma delícia caminhar solto sem ficar no chato e obsessivo pensando de “será que no final da calçada tem uma rampa?”

Aproveitaria para trocar uns passos de dança, ali mesmo, no meio da rua, com a minha namorada. Ia dar nela aquele abraço de levantar, sabem qualé? Então, aquele abraço parece tão bom...

Com o meu avatar eu ia queria experimentar o gosto de subir uma escadaria grande, bem grande. Que gosto tem subir uma escada? Deve ser gostoso, mas muita gente ainda insiste mesmo é em disputar o exíguo espaço do elevador comigo e com uma cadeira de rodas...

Queria, sim, poder ter um avatar. Um avatar que me permitisse subir nas árvores, sentar na mureta, dar tibum no mar, ensaiar uma cambalhota... e pensar que tem um bocado de gente que esquece que pode fazer tudo isso...

Às vezes, crio na minha cabeça a minha própria realidade caso ela fosse brindada com um corpo perfeitinho. Tendo a acreditar que eu reclamaria um bocado de ficar em pé no ônibus lotado ou por “ter de ficar” plantado hoooras naquela fila do show em que eu me acabaria de pular, ali, no meio da galera...

Sinto saudades, em alguns momentos, das coisas que eu nunca pude. Nessas horas, a vontade de ter um avatar, que nem magnificamente inventou o seu James Cameron, me parece bater mais forte...

Ainda tá longe de a ciência chegar ao menos no rascunho de algo que possa suprir esses meus ‘desejos’ bobos de ser mais igual a todo mundo. Porém, o mundo virtual, já permite todo mundo criar seu avatar.... Quer ver o meu e criar o seu? Clica no velho e saltitante.... bozo! Brincalhão

* Foto de Marlene Bergamo/Folha Imagem

Escrito por Jairo Marques às 01h13

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A arte de desfazer o impossível

Existe uma máxima dentro da minha profissão, o jornalismo, que tenho observado que vale também para o sucesso de um blogueiro: “é preciso ter um pouco de sorte!”

É ‘inacreditível’, como o ‘núcleo nervoso’ do Assim como Você (as pessoas mais estratégicas que estão próximas a mim e ajudam a reparar o motor quando só empurrar  a kombi ‘veia’ não resolve) estão sempre vivendo situações que fazem esse mundo paralelo em que vivem os ‘malacados’, a Matrix, vire de cabeça para baixo.

O post de hoje é histórico, sem falsas modéstias. Tenho convicção que a emocionante e inédita novidade que o meu grande amigo Evandro Bonocchi e sua mulher Fabíola, irão contar, vai motivar, incentivar e mudar o pensamento de milhares de pessoas.

Peço que os meus amigos blogueiros espalhem essa boa nova para que os ‘tetrões’ e lesados medulares do Brasil, sil, sil, sil e de todo o planeta renovem suas esperanças de.... enfim, não vou quebrar a surpresa.. Carente

A leitura não é recomendada para pessoas, digamos, pudicas... ui..

Sorte 

 

Mesmo sabendo que era IMPOSSÍVEL, nós fomos lá, teimamos e fizemos

Sempre sonhamos....

Sempre tentamos....

Certa vez, conseguimos, mas perdemos....

Aí veio o meu acidente (saiba mais aqui), e com ele vieram às dúvidas e as incertezas.

No Sarah, fui informado que era impossível, e que se tivesse muita sorte conseguiríamos por meio de tratamentos em laboratório.

Mas um dia, lendo o livro “Velejando a Vida”, de João Carlos Pecci, vimos que era possível sim!

Apesar de ouvirmos mais uma vez de um médico da nossa cidade, que não aconteceria, que o lance do livro não existiria. Insistimos!

Procurando respostas na internet, conversando com um e com outro, recebi de uma amiga virtual, se não me engano foi da Gloria frequentadora aqui blog, um arquivo dando explicações que a ejaculação era possível de acontecer para lesados medulares com a ajuda de um aparelho de massagem.

Na Reatech (feira com diversos produtos e serviços para ‘matrixianos’) do ano passado, encontramos um stand vendendo um tal aparelho de massagem para as costas e braços, super forte!!

A Fá (minha mulher) testou na nuca e se empolgou. Aí chegou a minha vez de testá-lo...

Confesso que tenho uma amizade de muito carinho e afeto com o meu instrumento sexual Beijo e apesar da baixa sensibilidade, não queria colocá-lo em risco, então, testei o troço no antebraço e doeu “pracara....o”. Mas como ela insistiu, compramos (R$150,00).

Começamos a usá-lo em abril de 2009. Coloco o aparelho no “cabresto” do, do menino...Embaraçado, conforme tinha lido no tal arquivo. A dor que senti no antebraço, era carinho para o meu amigo. Uma sensação ótima, prazerosa!!

Então começamos a fazer uso do massageador em todas as nossas relações, era praticamente um “ménage à trois” Muito triste.

 

E foi em agosto do ano passado que a primeira ejaculação (uuia), após quatro anos do meu acidente, aconteceu. E juntamente com ela, aconteceu também o saudoso orgasmo (que diferentemente da época que eu era “normal”, surge de forma bem mais longa e intensa, Muito feliz)

Lembro que liguei para minha mãe para contar a novidade, (vê se pode...um cara com 33 anos ligando pra mãe para dizer que estava gozando!!! Rindo a toa). A velha chorou de alegria, assim como meus irmãos.  E até um churrasco para comemorar, nós fizemos na casa do meu pai.

A primeira etapa, tínhamos vencido. Parte do impossível, já havia se rompido. Estávamos no caminho certo para a nossa realização.

 

Faltava acertar o alvo, o dia, pois a ejaculação não acontece todas as vezes que utilizo o aparelho, e, dificilmente, rola em dias seguidos.

Então começamos a nos concentrar na data correta da ovulação. Olha que já estudei química, física..., mas juro que não entendo essas contas de menstruação, décimo quarto dia....putiz, é ‘complicoso’, não seria melhor a mulher ficar verde no dia certo? Aí não teria erro e pronto! Convencido

Em fevereiro a Fá teve que fazer alguns exames de rotina, inclusive um ultrassom, quando a médica constatou que ela estava NAQUELE dia, fértil!

E lá fomos nós pro nosso ménage à trois.... Eu, a Fá, o aparelho... e pronto.

Parte didática: a ejaculação não acontece na hora da penetração, e sim com a utilização do aparelho. Então, coloco os projetos de molecada em um potinho esterilizado e com uma seringa, aplico dentro da Fá. Não reclamem mulherada, é mais fácil que bater um bolo! surpreso

Deus nos abençoou, e contrariando tudo que ouvimos, estamos GRÁVIDOS! Minha mulher está indo para a sétima semana , carregando um baby meu! Aêêêê

O brilho que vejo nos olhos da Fá é a coisa mais linda do mundo.

Estamos vivendo um momento especial em nossas vidas. Nossos pais e irmãos estão felizes igualmente.

A mensagem que gostaria de deixar para vocês é que ao longo desses quase cinco anos de lesão, constatei que não existe regra pra nada. Nosso corpo não é uma questão matemática. Cada um é diferente do outro.

E que se existe amor, nada é impossível! Nada...

* Imagens do arquivo pessoal de Evandro Bonocchi

Escrito por Jairo Marques às 00h08

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Jairo Marques Jairo Marques, 37, jornalista pela UFMS e pós-graduado em jornalismo social pela PUC-SP. Trabalha na Folha desde 1999. É colunista do caderno "Cotidiano".
Twitter Twitter RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.