Jairo Marques

Assim como você

 

Deixem as crianças serem crianças...

Meu povo, fecho a semana (essa foi recorde de audiência e de comentários! Aêêêê Beijo) com um vídeo, curtinho, mas que eu tive de segurar a guela pra não abrir o berreiro numa mistura de emoção, alegria, vontade de ver um mundo melhor para as pessoas com deficiência...

Emocionante demais, desde os primeiros segundos. A dica foi do meu amigo Rapha Bathe, um cara de sensibilidade ímpar para questões da Matrix...

 

Não tenho dúvidas, vocês terão um final de semana muito melhor depois de assistirem...

 

Beijo nas crianças! Legal

 

 

Escrito por Jairo Marques às 06h22

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Livro, foto e souvenir

Depois das fortes emoções do post de ontem, hoje vou mais calminho ... Beijo Minha amiga espevitada gaúcha  Juju Carvalho conseguiu o que eu só fico chocando, chocando, chocando e não boto Carente, ela escreveu um livro! Aêêêê

A menina tá mais feliz que porco na lama com o lançamento do “Na minha cadeira ou na tua”.  A bichinha foi obstinada e rodou com os originais da obra pra cima e pra baixo até que convenceu a editora “Terceiro Nome” a publicar seus pensamentos “matrixianos”.

No livro, a Ju conta um pouco sobre suas peripécias cadeirantes, misturando realidade e ficção. Como a loira tem ótimo senso de humor (e, às vezes, de mau humor Cansado), os textos são bem saborosos!

Saquem ai um trechinho:

“Pernas pra que te quero”

“Já falei que os internos não usam roupas íntimas. Passei umas duas semanas sem sutiã. Um crime contra os peitos. Pontos pra gravidade. Uma noite dessas, quero ir passear no “quinto dos internos”, e vou pegar autorização com as enfermeiras. Uma delas soltou essa:

– Vai passar um batom, guria! E colocar um sutiã.

– Mas, não pode usar... - falei.

– Eu acho um absurdo isso! Como você é boba, pega escondido.

Passo a noite pensando a respeito do sutiã. Acordo, e vejo na minha grade de atividades que tem basquete. Deus! Jogar basquete sem sutiã! E se confundirem as bolas? Percebo que é o dia certo para pegar meu sutiã no guarda-valores. Vou lá. Peço pra dar uma olhada nas minhas coisas. Está tudo lacrado.

O lançamento vai rolar em vários Estados. Anotem ai pra não perder e pra prestigiar mais uma obra ‘malacabada’ com o objetivo humilde de colaborar com a dominação do mundo por parte dos “matrixianos... surpreso

RIO - 08/04 Livraria da Travessa Shopping Leblon Afrânio de Melo Franco, 290 - loja 205 A

SAMPA - 12/04 Livraria Cultura – Conjunto Nacional Av. Paulista, 2073

BH - 15/04 Biblioteca pública estadual Luiz de Bessa Praça da Liberdade, 21 –  Funcionários

PORTO ALEGRE -  22/04 Livraria Cultura  Bourbon Shopping Country Av. Túlio de Rose, 80 - Loja 302


“Cada mergulho é um flash” 

 

Meu povo, eu não sei se acontece com todo cadeirante, mas eu sou ‘terrivi’ pra tirar retrato...Tonto. Saem tortos, desfocados e não raro é eu cortar partes das pessoas, mesmo elas sendo perfeitinhas Muito triste.

Acho que sou mais “trapaiado” para fotografia porque meu braço esquerdo é afetado pela guerra também. Bem, mas agora, tchanannnnn um incentivo para os ‘malacabados’ se dedicarem à arte dos clicks!

 

 

Um concurso só pra ‘matrixiano’ vai dar ‘MIL REAL’ (dá pra comprar um caminhão cheiinho de ‘abobra’ Rindo a toa) pro melhor retrato!!! Aêêêê .. E tem outros prêmios... os detalhes você pode conseguir no site: www.reateam.com.br/oquevoceve! O concurso vai levar em conta, sobretudo: 'criatividadchi' 'sensibilidadchi'. Bora 'nóis tudo' fotografar?

 

 

Como a Taaaabaaaata tá na organização, eu confio que vai ser ‘mara’ (sim, sou puxa-saco dos meus amigos.. Beijo)


“Falta um mês!!!”

 

“Zimininos”, falta apenas um mês para o maior acontecimento dos últimos 15 dias Muito triste, o terceiro grande encontro do Assim Como Você!  Pelo andar da carruagem (essa é do tempo que o meu vô andava de bicicleta, né? Carente), vai bombar!!!

 

 

Muitas surpresas vão rolar lá na ‘baladchinha’, ‘excrusível’ presenças que nem os organizadores sabem! Entorpecido. Pra que tudo dê certo, peço para que vocês confirmem a presença com a Bibi e com a Maysoka pelos emails: maysa.mascarin@hotmail.com e arquiteta_bia@yahoo.com.br  . Para saber mais detalhe do ‘rala bucho’, cliquem no bozo! Brincalhão 

 

 

Precisamos saber "di certeza" quem vai porque será aquela montoeira de cadeira de rodas, cachorro guia, muletas, gente torta Rindo a toa é temos de garantir um bom espaço físico, tá fechado?! O tio promete que toma banho e passa perfume pra beijar ‘ceis tudo’! Uhrúú 

Escrito por Jairo Marques às 00h03

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

“Você tá de parabéns!”

Essa aconteceu na semana passada, na academia (sim, eu continuo nadando firme, tô quase um ‘Xerer’ das piscinas e a pança recuou meio milímetro Muito triste). Tava eu lá, todo pimpão tomando uma ducha, quando se aproxima um rapazote de uns 18 anos.

Quer que eu te ajude em alguma coisa?”

Quase pedi pra ele ensaboar as minhas costinhas, mas achei que a patroa corria um sério risco se eu gostasse... Bobo.

“Não, tô de boa. Me viro bem (sem duplo sentido)”

Aí, o guri começou a contar uma história interminável de um professor dele que, certa vez, foi dar aulas de cadeira de rodas só pra dar uma lição de cidadania aos alunos e tals...

Eu ali, pelado e tímido Sem jeito, e o rapaz todo animado querendo me mostrar que respeitava as diferenças, que sacava do mundo da “Matrix”, que sabia da dureza que era ser “malacabado”.

Já estava pensando que havia rolado sentimento do lado do caboclo Apaixonado, quando ele se despede e fala assim:

Olha, você tá de parabéns, viu?! Tanta gente aí com duas pernas, dois braços fortes, com plena saúde e não quer saber de nada. Você desse jeito (palavras minhas, todo abatido da guerra Muito feliz), vem malhar, todo disposto.”

Ele virou as costas e nem deu tempo pra responder a minha dúvida: “Parabéns como assim cê fala, nego?”

Comecei a puxar da memória, já bem falha devido à idade avançada, quantas vezes recebi cumprimentos pelo simples fato de eu viver minha vida, por eu tocar em frente a minha cadeirinha de rodas vermelha.

Num sei se isso acontece com todo ‘estropiado’, mas fico sem graça, fico sem entender esse cumprimento, esse elogio, do nada. Pergunto pros meus queridos “infiltrados”: alguma vez já te deram parabéns por você estar andando na rua? Tipo:

“Oooopa, dona Fabiana, parabéns por você estar ai, vivona, toda loira, andando direitinho na rua”... aborrecido

Não, meu povo, não tô reclamando. Mas fico meio sem jeito quando sou supostamente elogiado por ... viver. Parece que querem dar uma forcinha, uma mãozinha para que sigamos em frente no propósito de desfrutar da existência, será isso?

 

É gostoso ser elogiado pelo trabalho que você faz, por um post que te roubou horas da madrugada de sono, pelas unhas de tatu que enfim foram cortadas Rindo a toa, por ter feito aquela pipoca de micro-ondas de maneira perfeita Carente... mas ser elogiado por viver, é engraçado...

Acho que isso, talvez, seja herança de um tempo em que os ‘dificientis’ ficavam em casa assistindo Xuxa e Silvio Santos e reclamando que água do copo havia esquentado. 

Hoje, os ‘malacabados’ estão cada vez mais na sociedade e não são exemplos pelo simples fato de estarem na rua, por mais que a rua, em muitos casos, ainda não o queira.

Será que estou errado? Tenho pensando nisso ultimamente... O que vocês acham?!

*Ilustrações do Google Imagens

Escrito por Jairo Marques às 00h13

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Bastidores de um ex-BBB

“Zimininos”, quando recebi a incumbência de entrevistar o modelo, ex-bbb e esportista Fernando Fernandes, 28, que entrou para a “matrix” faz oito meses, reagi com aquele mau humor típico dos jornalistas: ‘eu lá sei que raios é Big Brother’?!  Cansado

Mas, como sou profissional, aceitei a ideia e deitei o cabelo para conseguir achar o ‘homi’ e saber como estava esse novo momento de sua vida, agora, ‘malacabado’. O resultado foi publicado ontem, na Folha. (assinantes UOL e Folha tem acesso clicando no bozo Brincalhão)

E eu preciso admitir, o cara me surpreendeu um bocado. Em vez de um cidadão que só pensa em flashs, ‘gramur’, e que fica chorando e reclamando por não ter virado cadeirante, encontrei um cabra que tá driblando o desafio de ter se tornado ‘dificiente’ de uma forma de deixar qualquer um de queixo caído.

A entrevista durou cerca de três horas e rolou na casa que ele irá morar agora, ainda passando por adaptações. Em momento nenhum, o Fernando demonstrou desespero, fragilidade ou vontade de se afogar num copo dágua. O cara me pareceu totalmente disposto a redesenhar a vida, a vestir a camisa dos ‘matrixianos’ da linha de frente para a dominação do mundo...Convencido

 

Tem uma imagem “clássica” do Fernando em relação ao BBB, ele dando uma pirueta pra pular na piscina. O bom condicionamento dele do passado, impressiona demais no presente. Todo mundo que acompanhou algum “abatido da guerra” devido a um acidente, sabe que a recuperação é muito lenta e que o ‘shape’ tende a mudar muito, com ele, isso não aconteceu.

O bicho é tão ‘popeiro’ que já andou de cavalo, correu São Silvestre em cadeira de rodas, faz canoagem, remo, boxe, tá tirando carteira para carro adaptado, tem uns bração de ajudante de pedreiro e continua deixando a mulherada suspirando... (ui)

A entrevista rendeu pra caramba e falamos sobre tudo, “excrusível” sobre busca de um milagre, ciência, sexo (ui), a vida de modelo ‘pegatodas’ , o acidente, a família. Ah, claro, falamos também sobre BBB.

 

O Fernando diz que não tem a menor ‘vibe’ de voltar praquela casa em que as pessoas vivem de sunga e biquíni 24horas e só conversam miolo de pote... Beijo. Ele avalia que ali qualquer um pode ser vítima de preconceito, um ‘malacabado’, também, afinal, “tudo que é diferente chama atenção”.

Ele tá investindo pesado agora na carreira de atleta, quer disputar as Paraolimpíadas, já em Londres, daqui a dois anos. Meu feeling (coisa biba isso, né? Embaraçado) diz que o cara tem pinta de campeão.

Muita gente deve pensar num lance de causa e consequência em relação ao Fernando, que sempre teve fama de bad boy, de bom da boca, viveu a mil. Perguntei isso a ele, que pensou, pensou, pensou e avaliou que, de certa maneira, ter uma vida tremendamente intensa, pilhada, implica também estar mais exposto ao risco...

Seja como for, o cara vai dar o que falar neste nosso mundo paralelo e, não tenho dúvidas, vai ajudar um bocado a quebrar estigmas e abrir novos espaços.  

Em tempo: Acho que tá mais do que paga a minha dívida com a mulherada, né, não?! Rindo a toa

* Fotos de Marlene Bergamo/Folha Imagem e de arquivo pessoal de Fernando Fernandes

Escrito por Jairo Marques às 00h02

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Jairo Marques Jairo Marques, 37, jornalista pela UFMS e pós-graduado em jornalismo social pela PUC-SP. Trabalha na Folha desde 1999. É colunista do caderno "Cotidiano".
Twitter Twitter RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.