Jairo Marques

Assim como você

 

Ainda é verão!

 

Conforme prometido, segue mais um ensaio exclusivo da minha amiga fotógrafa Kica de Castro, que promove na próxima semana, no Nordeste, um desfile de moda só com modelos “matrixianas”.

 

Se o “banquete” de sensualidade e beleza irá agradar mais os meninos, as meninas que me aguardem, terão uma bela surpresa, em breve! Bobo

 

Bom final de semana e beijos nas crianças!

 

Sorte

 

 

 

Acreditem: o sol, a brisa, a areia, as ondas e o mar não fazem distinção em relação à sua forma física e à sua condição de desfrutá-los

 

 

 

 

Para a natureza que se impõe nos dias tórridos de verão: as águas de um rio, as praias do imenso litoral brasileiro não importam suas cicatrizes, suas pernas meio finininhas, seu jeito “diferente”

 

 

 

Não faltam poesias para o verão, que queima a pele, que energiza, que faz a gente ficar na alegria, que nos empurra a aproveitar a existência em sua plenitude

 

 

 

 

A gente mora “num país tropical abençoado por Deus”, logo, todos nós aqui temos o direito supremo de nos aproveitar de suas dádivas. Vá ao mar, vá ao encontro das águas, refresque suas ideias

 

 

 

 

É na força de estar presente, em todos os lugares, que passamos a ser mais aceitos e mais bem-vindos. As belezas da natureza são dádivas de todos e para todos. Aproveitem o verão!

 

 

*Modelo e estudante de Educação Física Carolina, 26, fotografada no litoral da Paraíba por Kica de Castro

 

Escrito por Jairo Marques às 09h14

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

“Encontreiros”

Os ‘pessoais’ que frequentam este cafofo é tudo perdido e vivem querendo _como dizia o falecido Claudinho, aquele do Bochecha_ “se encontrar”... Muito triste

 

Então, bora fazer as ‘malaiada’, preparar a matula, engordar o jegue (pra ele aguentar a viagem), quebrar o porquinho (pra tirar o tutu de dentro) e nos prepararmos para mais um .... “Rala bucho do Assim como Você!!!”  Aêêêêê

 

“Zimininos”, o povo das ‘comunidadchi’ dos Orkut já ajeitou foi tudo. Vamos realizar mais um encontro, no dia 17 de abril, às 17h, dois dias antes do quê??? Do dia do índiooo!!! Aêêêê surpreso

 


 

Não, não é um programa de índio com um monte de abatidos pela guerra de cadeira de rodas, de muleta, arrastando cachorro e mancando, não Legal. É uma festa ‘maraviwonderfull’, um ‘forrobodó’ inesquecível!

 

Os dois encontros (aqui dá pra ver o 1º) anteriores foram um sucesso e deu pra encher assim umas duuuuas caixas de sapato de gente! (mentiiiira, tinha um monte de matrixianos e de infiltrados, um monte mesmo!).

 


 

Como a maioria das pessoas que leem o blog tem parafusos a menos, 'excrusível' o autor, diretor e ator aqui Tonto, o clima é sempre, como diz a minha tia Filinha, “gostoso demais da conta”!

 

Vem gente de todo canto do Brasil e de Goiânia também Muito tristeMuito triste.... Sim, sim, vem gente de Osasco, claro... Muito triste. Como o blog vai fazer aniversário em maio é uma chance de a gente começar o “sarandeio” já em abril! Ahhh pessoal que mora longe, escreve ai nos coments “Vamo nóis tudo!!!!”

 

 

 

 

Quem está por trás da organização desta vez é a Maysa Mascarin, a Maysoka, e a Bianca, a Bibi. Peço que vocês confirmem a presença pelos emails:maysa.mascarin@hotmail.com ; arquiteta_bia@yahoo.com.br ou ainda pela ‘comunidachi’ nos Orkuts.

 

Clica no bozo que eu te levo lá! Brincalhão (Falando em rede social, continuo apanhando daquele maldito cachorro nos "FacebookRindo a toa)


“O tio, mas esses encontro serve pra gente achar o quê, heim?” Teve gente que saiu namorando, teve gente que saiu chorando (de emoção), teve gente que saiu beijando minha foto Beijo, teve gente que aprendeu, teve gente que ensinou...

 

É difícil de explicar, mas, apostem: é legalpracaramba.com.br e, quem vai, fica sempre com algo marcado em seu coraçãozinho... Apaixonado. “Disque” vai rolar um bolo de ‘chocolachti’ daqueles de comer chorando porque vai acabar loguinho...

 

“E onde que vai ser, Zairo”? A balada no Best Burguer, um ‘pico’ (tô roots hoje, né? É roots que fala? Indeciso) que fica dentro do Shopping Paulista, super bem localizado aqui em Sampa.

 

Falta pouco mais de um mês, então, dá pra todo mundo comprar a passagem em 12 prestações, mandar passar aquele terno de ir a batizados ou aquele vestido longo de ir nas liquidações das “Cazas Baiano”! Vamaê?!

 

* Imagens retiradas do Google Imagens

 

Escrito por Jairo Marques às 00h22

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O circo da borboleta

 “Zente”, eu sei, eu sei que muita gente tá no trabalho e tem que ver o blog do tio meio na moita... Legal. Mas eu vou pedir que vocês façam um esforcinho e vejam a primeira parte deste documentário incrível e tocante...

Deu um trabalho lascado pra Silvetz Dutra colocar a legenda, mas só pedi a ela porque o negócio é dos bons, daqueles que quem frequenta esse diário rotineiramente sabe que vale a pena.

O protagonista do filme (são 20 minutos divididos em duas partes) é o Nick Vujicic, que passou aqui pelo Assim como Você. Quem passou a dica, foi a argentina e gata Pilar Nieva.

Para dar mais audiência Muito triste, a segunda parte do “Circo da Borboleta”, eu coloco à tarde, para que vocês voltem tudo, fechou?! Insisto, vale a pena ver..


Tá bem, vai... vou publicar é tudo logo... Muito triste

 

 

 

 

Em Tempo: Povo, a história do “ambulifit” deu tanto pano pra manda que a Folha resolveu fazer uma matéria.... e tem um textinho meu de sobremesa, né? Para acessar (só assinantes Folha e UOL), clique aqui e aqui! Inocente

Escrito por Jairo Marques às 01h03

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Às mães que empurram

Foi na semana passada. Eu tava indo pro trabalho, a manhã nubladinha, feiosa e preguiçosa, como é típico dos dias sem sol. Parei em um farol num dos lugares mais ‘over’ aqui da city, a rua Amaral Gurgel, onde por cima passa uma ode ao gosto urbanístico, o minhocão.

E eles passavam numa toada apressada. O menino, que devia ter uns oito anos, segurava e tentava se equilibrar com a bolsa da mãe, a mochila de escola e um guarda chuva daqueles pretos, grandões. A mãe o empurrava aparentando preocupação com a hora.

E os dois foram cruzando a minha frente ao mesmo tempo em que me remetiam aos meus tempos de escola. A cadeira de rodas do menino, que tinha cabelos bem pretinhos, era grande, pesada e exigia um bom esforço físico da mãe.

Nem toda cadeira de rodas é leve, feita sob medida e produzida com materiais nobres como titânio, magnésio ou qualquer outro raio de coisa ‘genetchicamentchi’ modificada Rindo a toa que a torna prática.  Resultado? Mães que precisam fazer uma força danada pra vencer calçadas, guias altas, piso irregular, entradas sem rampas e que as expõem a quase estourar as veias do pescoço...

Fui ficando melancólico vendo a mãe atravessar a Amaral Gurgel empurrando o menino. Pra completar o aperto no meu coraçãozinho Com vergonha, a travessia, feita em duas partes, pois a via tem duas mãos cortadas por um canteiro cheio de pichações e sujeira, não tinha rampas em parte nenhuma.

Todo mundo já foi empurrado por suas mães, de alguma forma, seja no carrinho de bebê, seja ao longo da vida para ‘virar gente’, mas ‘malacabados’ são empurrados mais e de uma forma diferente. Somos empurrados para conhecer a vida, para ter vida, para encarar a vida. Somos empurrados bebês, somos empurrados jovens, somos empurrados adultos, porque, mesmo que não precisemos mais, elas fazem questão de nos ‘poupar’ um pouquinho mais.

Aquela mãe empurrando o menino no dia nublado, me levou até a lembrança de que minha mãe nunca usou salto alto para ficar mais vaidosa.

Salto alto não combinava com aquelas ruas de areia fofa que empacava as rodas da minha cadeira. Unhas cumpridas também não porque, na eventualidade de ter de me carregar, poderia me machucar... E fosse onde fosse ela sempre chegava cansada, suada de fazer tanto esforço para que eu chegasse também.

Todos os dias berro, conto piadas, tento cativar e seduzir mais adeptos para uma causa que considero muita justa: fazer o mundo ficar mais acessível, mais fácil de ser transitado, mais fácil de ser vivido por quem tem algum tipo de deficiência.

Faço isso também para as mães que empurram, algumas delas, tenho o prazer de tê-las como leitoras. Mães que doam suas energias para o bem estar do filho deficiente, mães sempre na linha de frente para evitar a exposição dos seus ao perigo, à injustiça, ao preconceito e a falta de oportunidade.

Minha mãe faz hoje aniversário. Mais da metade dos anos de vida, ela se dedicou a me empurrar para vida, igualzinho faz àquela mulher na Amaral Gurgel com o garoto.

 Atualmente, ela sabe que sei voar e pouco preciso de uma mãozinha, mas em cada mãe que empurra, rendo homenagens a minha “santa” e a vejo honrando o meu nascimento, a minha condição física e o meu direito de ser bem feliz...

Obrigado, mamis... que seja ótima a sua nova idade! Com o meu melhor amor, sempre pra você...

PS: Para saber mais, clica no bozo! Brincalhão

Escrito por Jairo Marques às 00h01

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Jairo Marques Jairo Marques, 37, jornalista pela UFMS e pós-graduado em jornalismo social pela PUC-SP. Trabalha na Folha desde 1999. É colunista do caderno "Cotidiano".
Twitter Twitter RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.