Jairo Marques

Assim como você

 

Tapetinho

 

Me perguntam muito se é preciso ter algum cuidado especial com a casa quando se vai receber um cadeirante. Até já escreveram um livro, não me “alembro” quem nem qual, a respeito das  própria etiqueta pra se relacionar com esse povo da Matrix que de tão sofisticado até baba um pouquinho, às vezes....Rindo a toa

 Normalmente, eu falo sobre arrumar uma cadeirinha de plástico pro malacabado usar na ducha do banheiro, falo sobre possibilidade de eliminar degraus e, sobretudo, falo pra não ficarem o tempo todo oferecendo ajuda porque a gente é meio molengão, mas se vira como pode! Convencido

Contudo tem um lance que sempre me esqueço de avisar: o de pedir pra retirar da casa aqueles tapetinhos suuuujos da entrada da sala, da beira da cama, do banheiro e demais lugares que comportem o adorno (ai, falei bonito, heim? Beijo).

Uai, tio, mas pá modi quê tem que tirar os capacho da goma?” Povo, esses trem enroscam nas rodinhas dianteiras dos nossos cavalos e o bicho empaca que é uma beleza de vê...

Aqueles tapetões grandões, felpudos, verdadeiras selvas de ácaro, ‘chicrete’ mascado e pelo de gato Tonto, são um desafio de ultrapassar que só perde pras calçadas maravilhosas que temos aqui no centro de São Paulo (tô ácido, né? Ui)

Quando eu era moleque, lembro que a minha mãe adorava aqueles tapetinhos todos trançadinhos, de várias cores, feitos por presidiários, um luxo... E ela botava aqueles museus por toda a casa.... só dava eu me engalfinhando com aquilo e jogando os bichos longe.. Muito triste

E carpete? É uma delícia!!! A roda da cadeira gruda naquilo que a bicha parece que passa a pesar uma tonelada.  Ainda bem que sempre foi assim, sarado, lavado e bem passado... Sem jeito

No blog da Aldrey, minha leitora top e queridíssima, o “Vida sobre Rodas”, há um post engraçadíssimo sobre como nem os parentes de um “esgualepado” lembram que deixar chinelo jogado, sapato pra todo lado da casa pode nos causar um transtorno...

É sério. O efeito do sapato é semelhante ao dos tapetinhos. As havaianas realmente não soltam as tiras, mas a gente solta a cara no chão quando nos “engastanhamos” (alguém já ouviu essa? Muito triste) nas chinelas...

Então, quando vocês forem me convidar pra faturar aquela feijoada em seus barracos, lembrem-se que uma medida simples como facilitar o trânsito retirando tapetinhos e os coturnos do caminho ajuda e muito!

* Imagens retiradas do Google Imagens

Escrito por Jairo Marques às 00h54

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O aventureiro

“Zente”, amanhã (03/09) a Folha vai publicar a edição do caderno Turismo que o tio conta tudo sobre a viagem que fez pros Nova York, nos “Estadusunidos”.

Dou dicas para os “malacabados” se virarem na city, conto o que encontrei de acessibilidade por lá (tudo, é... tudo Rindo a toa), falo dos pontos turísticos que convidam o cadeirante e os estropiados em geral para visitação e tudo mais.

Além disso, me pediram pra fazer também uma reportagem sobre as condições de acesso em algum lugar do Brasil sil sil.... então.... podem botar fé, o véio doido aqui foi pros interior de São Paulo fazer..... esportes radicais!!!! Legal

Eu demorei a acreditar também, fiquem tranquilos...Muito triste , mas, fui para o município de Socorro, onde a Glorinha e o Adjair, meus leitores cativos, já haviam relatado suas aventuras. Num lembram? Clica no bozo!!! Brincalhão

Bem, pra provar “procês” que me escambei (essa palavra é nova, né?) pelos mato, pelas ladeiras, pelas cavernas, pelos rios, pelas “artura” do céu, publico um monte de fota.

“Vo6” sabem que não sou “inzibido” (tá, tá bem, ligeiramente Entorpecido), mas quero mostrar pra todo mundo que até um tiozão que já atravessou o cabo da boa esperança como eu Muito triste, “matrixiano” nato, pooooode se aventurar!!!

 

Pra fazer trilhas, chegar pertinho das cachoeira, vencer subidas íngremes (bota mais inclinação ainda nisso surpreso), usei essa “cadeira elétrica” que é off road, digamos assim. “Zimininos”, a bicha tem uma potência e uma resistência “maraviwonderfull”.

 

Aqui, uma boia, ou melhor, uma pança que me domina...Muito triste, se prepara, ao lado de uma linda (uuuuuia), para cair num curso de água cheio de corredeiras. Bota emoção nisso.... as quedas d´água parecem ótimas para ver, mas pra “surfar” da uma adrenalina doooida!!

 

Juro, juro mesmo, esse rapazinho bonzinho sou eu me preparando pra saltar de tirolesa. A danada tem 140 metros de altura e um quilômetro de extensão... “Arrupiou” até os cabelos que eu não tenho... Rindo a toa

 

 

Olha eu lá!!! Depois fiz mais duas, seguidas.... Os instrutores são tão gente fina, mostram tanto preparo que o medo vai embora e só fica a empolgação de mostrar pro meu povo do blog que é possível...

 

Explorando a Gruta do Anjo (e não caverna, como eu havia escrito). Tem esse nome porque eles acreditam de pé junto que dentro do local há uma rocha que tem o formato de um querubim... eu olhei, olhei, olhei... e só vi rocha, mesmo Muito triste

 

Aproveitando da piscina que nem porco na lama... Carente A cadeira de rodas entra também com facilidade nas saunas (Amauri, não pense bobagem) e em qualquer outra instalação do hotel fazenda.

 

Todos os detalhes dessa doideira eu relato no caderno, amanhã. Lá vocês vão ter informações sobre pacotes, preços, etc. Assinantes do Uol e do jornal poderão acessar pela net, mas, seria legal vocês prestigiarem o trabalho indo até uma banca e vendo no impresso, né, não? Fã que é fã... (metiiiido!!!) Entorpecido

Escrito por Jairo Marques às 00h06

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Calçada... ahhh, a calçada...

Povão, tive um final de semana mais agitado do que omelete de pobre (de um ovo só, ai tem que mexer, mexer, mexer Muito triste). Fiz coisas que ninguém vai acreditar. Em breve, juro, conto e mostro tudo !

 

Hoje, porém, eu divulgo uma nova campanha em comemoração aos 27 anos da grande parceira deste blog, a Avape (Associação para Valorização de Pessoas com Deficiência).

 

A cena do filme, protagonizado por uma atriz desconhecidíssima deste cafofo Convencido, já aconteceu comigo umas “zilhões” de vezes. E a sensação é sempre a mesma: “Me leve, gzuis... me leva que eu to pronto e de banho tomado”... Inocente

 

Curti demais a conclusão que eles tiram... e vocês?!

  

Escrito por Jairo Marques às 08h19

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Jairo Marques Jairo Marques, 37, jornalista pela UFMS e pós-graduado em jornalismo social pela PUC-SP. Trabalha na Folha desde 1999. É colunista do caderno "Cotidiano".
Twitter Twitter RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.